05/12/2017 08h20 - Atualizado em 05/12/2017 08h20

Primeiro e único brasileiro campeão do Pipe Masters, Mineirinho torce por Medina

Por: globoesporte
 

Foco, dedicação e treino. Primeiro e único brasileiro a vencer o Pipeline Masters, em 2015, ano em que conquistou o seu título mundial, Adriano de Souza chegou cedo ao Havaí e entra na derradeira de 11 etapas do Circuito Mundial como um dos favoritos. Fora da corrida pelo caneco em 2017, Mineirinho conhece o caminho no pico e não quer sair de mãos vazias. O paulista ainda pode ajudar Gabriel Medina ao eliminar os seus rivais nas cobiçadas ondas do North Shore da ilha de Oahu. Mineirinho sofreu uma bronquite no início da viagem, mas já está 95% recuperado e confiante para a etapa decisiva, de 8 a 20 de dezembro, com transmissão ao vivo do SporTV.com.

O paulista viajou para o Havaí logo após o QS de Maresias, em São Sebastião (SP), encerrado em 4 de novembro, e está em plena sintonia no palco do encerramento da temporada. Pipeline é a onda perfeita, mais sonhada e esperada pelos surfistas profissionais.

  • O Hawaii é um lugar que adoro. Passei por um pequeno problema durante a primeira etapa da Tríplice Coroa, pois comecei com muita tosse, dor no corpo e tratei como sendo uma febre que ia passar. Mas, ao mesmo tempo, não queria abandonar o campeonato. Cheguei no ultimo dia de competição e depois de 3 baterias em um dia, perdi nas semis, porem fiquei muito debilitado. Tive que ir no hospital aqui no Hawaii e descobri que estava com Bronquite e se não cuidasse poderia virar pneumonia. Mas graças a Deus fui super bem atendido e consegui uns dias de repouso para agora finalmente estar 95% - contou Adriano, um dos mestres em Pipeline.
  • Esperança no Havaí

Atual sétimo colocado do ranking, Mineirinho volta a um dos lugares mais especiais de sua carreira e estreia contra o conterrâneo Caio Ibelli e o australiano Jack Freestone na bateria 7 do round 1. O fim do ano com mais um Pipe Masters no currículo e, quem sabe, com a Tríplice Coroa de brinde, seria o desfecho ideal para o campeão mundial.

  • Seria um sonho, né? Estou acumulando pontos. Quero correr pela beirada e se derem chance, quem sabe... Estou me sentindo muito bem.

O surfista de 30 anos, sendo 22 deles dedicados ao surfe, é um dos mais experientes do Brazilian Storm. Desde o seu começo na elite, aos 18, ele lutou de igual para igual com as lendas do esporte e tornou-se um dos mais respeitados do Tour. Ele sabe que o reconhecimento faz dele um dos mais visados, afinal, todos almejam vencer um campeão mundial. A lembrança no ano em que conquistou o Pipe Masters e o título mundial de uma vez segue cristalina.

O guerreiro do Guarujá combinou o dom natural com trabalho duro, obstinação e persistência para assumir o posto de melhor do mundo depois de quase uma década, em sua 11ª temporada na elite. O sonho do bicampenato mundial foi adiado para o ano que vem.

  • Nossa, foi muito doido. Eu todo dia escrevia: "Vou ser campeão de Pipe! Vou ser campeão do mundo!". Porém, depois do quarto round eu vi altas baterias. Indo para as quartas de final, eu mudei o texto e escrevi: "Vou ser campeão do mundo!". Acho que tudo conspirou a favor. Até recebi uma mão do Ricardinho lá de cima. Foi um astral muito bom. As memórias estão na minha cabeça até hoje. Tudo…. Desde quando fui campeão depois de surfar as semifinais, como sendo campeão em Pipe e depois sendo recepcionado no aeroporto de São Paulo, depois no Guarujá, depois em Floripa. Foi demais. Já quero isso tudo de novo - destacou o paulista, que terá a companhia da mulher e amuleto da sorte, Patricia Eicke, durante o Pipeline Masters.

Na torcida por Medina

Mineirinho está na torcida pelo título mundial de Medina e aposta em um show de surfe em Pipeline. - Será tenso. Os três estão surfando muito. Eu torço pelo Brasil, mas será um show de surfe. Isso tenho certeza - contou o surfista, que pegou algumas dicas com um dos mais conhecidos locais do North Shore havaiano, Jamie O'Brien, que hospedou o brasileiro em sua casa em 2015: - - Nós nos falamos sempre. Eu pegarei todas as dicas possíveis que ele possa me passar. Ele sabe todos os detalhes das ondas de lá. Aqui tem tanta gente boa que cada dia que passa, eu continuo aprendendo. Acho que o negócio é ser humilde e tentar aprender com os grandes surfistas daqui. Quero cada dia aprender mais - acrescentou Mineirinho.

Retorno de Slater

Um dos pontos altos do evento será o retorno de Kelly Slater, recordista de vitórias no Pipeline Masters, com sete troféus na conta. Muitos especularam que esta poderia ser a última temporada em tempo integral do americano onze vezes campeão mundial. Para Mineirinho, o surfista de 45 anos parece ter 25, e aposta que ele possa chegar até as Olimpíadas de Tóquio, em 2020.

  • Ele é um gênio. É sempre bom vê-lo competindo, especialmente, em lugares onde ele é um super mestre. Eu acho que na verdade ele tem somente 25 anos e ainda vai surfar por mais 10 anos (risos). Sério, eu acho que ele ainda curte surfar e competir, então, tem mais é que continuar, até porque ele ainda surfa tão bem quanto qualquer outro. Acho que ele irá ate as Olimpíadas.

Adriano de Souza, o Mineirinho, é campeão mundial de surfe na 11 etapa do circuito mundial em Pipeline no Havaí (Foto: David Abramvezt)

Confira as baterias da primeira fase:

1: Matt Wilkinson (AUS) x Jeremy Flores (FRA) x Jadson André (BRA) 2: Owen Wright (AUS) X Kanoa Igarashi (EUA) X Josh Kerr (AUS) 3: Julian Wilson (AUS) X Conner Coffin (EUA) X Stuart Kennedy (AUS) 4: Jordy Smith (AFS) X Bede Durbidge (AUS) X Ethan Ewing (AUS) 5: Gabriel Medina (BRA) X Miguel Pupo (BRA) X convidado 6: John John Florence (HAV) X Wiggolly Dantas (BRA) X convidado 7: Adriano de Souza (BRA) X Caio Ibelli (BRA) X Jack Freestone (AUS) 8: Kolohe Andino (EUA) X Joan Duru (FRA) X Kelly Slater (EUA) 9: Filipe Toledo (BRA) X Michel Bourez (TAH) X Ezekiel Law (HAV) 10: Sebastian Zietz (HAV) X Adrian Buchan (AUS) X Ian Gouveia (BRA) 11: Joel Parkinson (AUS) X Connor O'Leary (AUS) X Leonardo Fioravanti (ITA) 12: Mick Fanning (AUS) X Frederico Morais (POR) X Ítalo Ferreira (BRA)